- Polícia Judiciária - https://www.policiajudiciaria.pt -

Detido por roubo com arma de fogo e homicídio qualificado na forma tentada

A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal da Guarda e com a colaboração da GNR de Caria, identificou e deteve o autor de um crime de homicídio na forma tentada, um crime de roubo e outro de detenção de arma proibida, ocorridos ao início da manhã de terça feira, última, na localidade de Caria, no concelho de Belmonte, tendo os dois primeiros crimes como vítima um cidadão de nacionalidade estrangeira, que se deslocava apeado para o trabalho, que vinha desenvolvendo, como carpinteiro, na linha férrea da Beira Interior.

Tendo por objetivo a apropriação dos pertences da vítima, transportados numa mochila que a mesma carregava, o ora detido ameaçou-a com uma pistola de calibre 6.35 mm, que acabou por disparar, perante a resistência da vítima, atingindo-a na zona das costas, junto à região pulmonar.

Apropriando-se em seguida da dita mochila, o autor, ora detido, colocou-se em fuga, vindo, entretanto, a ser localizado, como eventual suspeito, pela GNR de Caria, que prontamente comunicou também esse facto à Polícia Judiciária.

Desenvolvidas as pertinentes diligências investigatórias da competência reservada da Polícia Judiciária e não obstante a negação inicial dos factos por parte do suspeito, foi possível reunir sólidos elementos de prova acerca da responsabilidade criminosa que agora lhe é imputada, assim como recuperar a arma de fogo utilizada na prática dos crimes e a quase totalidade dos pertences roubados à vitima.

Apesar da gravidade dos factos, a vítima, que permanece com o projétil alojado junto ao pedículo de D7 e o 7.º arco costal, encontra-se estável e estará presentemente também livre de perigo para a vida.

O detido, com a idade de 36 anos, desempregado, já com antecedentes criminais por crimes violentos, inclusive de homicídio na forma tentada, e com ligações ao tráfico e consumo de estupefacientes, foi, entretanto, presente às competentes autoridades judiciárias, judicialmente interrogado e finalmente sujeito à medida de coação de prisão preventiva.